Radicais livres e envelhecimento da pele: 9 dicas nutricionais infalíveis para minimizar as ações

Receba dicas exclusivas sobre nutrição, atividade física e bem-estar. Cadastre seu melhor e-mail ao lado (é grátis)!

Radicais livres e envelhecimento da pele: 9 dicas nutricionais infalíveis para minimizar as ações

1 de maio de 2017
Ana Carolina Rocha (CRN3 - 48025)
Nutricionista

radicais livres

Radicais livres são moléculas instáveis naturalmente produzidas pelo corpo no processo de produção da nossa energia.

Ao circularem por nosso organismo, os radicais livres retiram oxigênio de outras moléculas para se tornar estáveis, causando danos em células sadias.

Entretanto, nosso organismo está sempre trabalhando para que estejamos sadios e em equilíbrio sendo assim, ele tem mecanismos que auxiliam a reparar os danos causados nas células e inclusive inativar os radicais livres – antes que eles precisem danificar alguma molécula.

Radicais livres são moléculas instáveis naturalmente produzidas pelo corpo no processo de produção da nossa energia.

Ao circularem por nosso organismo, os radicais livres retiram oxigênio de outras moléculas para se tornar estáveis, causando danos em células sadias.

Entretanto, nosso organismo está sempre trabalhando para que estejamos sadios e em equilíbrio sendo assim, ele tem mecanismos que auxiliam a reparar os danos causados nas células e inclusive inativar os radicais livres – antes que eles precisem danificar alguma molécula.

Mas, se esse processo completo é realizado desde que nascemos e não temos como impedir a produção desses radicais livres, então porque devemos nos preocupar com isso?

mas se esse processo completo é realizado desde que nascemos e não temos como impedir a produção desses radicais livres, então porque devemos nos preocupar com isso

Bem, com a evolução da industrialização o ser humano ganhou um aumento na expectativa de vida e entrou em contato com substâncias ao qual não foi adaptado para metabolizar com eficiência como, por exemplo, a poluição e a radiação ultravioleta.

Em quantidades naturais os radicais livres não apresentam problemas, mas o estilo de vida corrido da vida moderna colabora para o aumento da produção habitual de moléculas de radicais livres.

Quando o volume dessas moléculas está em excesso, nosso corpo não consegue mais naturalmente neutralizar seus efeitos, portanto passamos a ter cada vez mais células lesionadas em nosso corpo, que não conseguem mais exercer sua função inicial.

O resultado da contínua exposição de nosso organismo aos efeitos dos radicais livres é:

  • Diminuição da imunidade;
  • Aumento da inflamação sistêmica, que vai piorar doenças que já têm instaladas e aumenta a chance de desenvolver novas doenças crônicas;
  • Envelhecimento precoce da pele.

Não temos como evitar naturalmente o envelhecimento, entretanto seus sinais cutâneos podem ser visíveis precocemente, caso estejamos expostos descontroladamente aos radicais livres.

Outro ponto importante é que, com o envelhecimento, o corpo diminui sua capacidade natural de combater os radicais livres sendo, portanto, essencial um auxílio externo através da alimentação para manter o equilíbrio do organismo.

Como os radicais livres têm influência sobre o envelhecimento da pele?

como os radicais livres têm influência sobre o envelhecimento da pele

A molécula de oxigênio que os radicais livres retiram de células sadias para se estabilizarem pode ser derivada de diversos compostos da célula, sendo um deles as proteínas.

Proteínas não servem somente para a formação de músculos, elas possuem outras funções no corpo, como por exemplo, a estruturação da membrana da pele – que é feita pelo colágeno (um tipo de proteína).

Existem diversos tipos diferentes de colágeno com funções específicas de onde está localizado. O Tipo 1, que é o mais abundante na pele, tem a função de manter a estrutura da pele, dando a aparência de uma pele lisa. Mas, ao sofrer uma alteração em sua composição, o colágeno é degradado e, com isso, desestrutura a epiderme, o que visivelmente irá causar flacidez.

A própria produção de colágeno é reduzida de forma contínua a partir dos 25 anos, sendo um dos motivos os radicais livres naturalmente sintetizados pelo organismo, e quanto maior a quantidade de radicais livres no corpo, mais dificultada será a produção de colágeno pelo corpo e mais cedo os efeitos de sua carência serão visíveis.

Quais são os principais fatores que devemos nos preocupar para não produzirmos radicais livres em excesso?

  • Consumo excessivo de bebidas alcoólicas;
  • Cigarro;
  • Poluição;
  • Exposição demasiada à raios ultravioletas, sem a devida utilização de filtro solar;
  • Consumo excessivo de gorduras saturadas;
  • Estresse do dia-a-dia.

A adoção de um estilo de vida saudável, com uma alimentação balanceada, prática de atividade física e outras atividades que auxiliem na redução do estresse, o uso diário do protetor solar já são atitudes protetoras e nos beneficiam a longo prazo.

Além dessas mudanças comportamentais, a ciência descobriu formas de turbinar nossa dieta, e assim colaborar com a neutralização dos radicais livres, que inevitavelmente serão produzidos, através dos antioxidantes.

Antioxidantes e seus efeitos nos radicais livres

antioxidantes e seus efeitos nos radicais livres

Os antioxidantes são moléculas positivas que conseguem se ligar aos radicais livres, neutralizando-os.

Sua função é inibição e redução das lesões causadas pelos radicais livres nas células, mas vale lembrar que somente os antioxidantes não são suficientes diante da quantidade de danos já estabelecidos.

A mudança de comportamento, diminuindo a exposição aos fatores de risco é determinante, combatendo a produção de novos radicais livres.

Antioxidantes têm comprovadamente diversos benefícios para nosso corpo, sendo a maioria deles relacionada justamente ao controle dos efeitos que os radicais livres causarão em nosso organismo.

Eles diminuem os processos inflamatórios, aumentam a imunidade, ajudam na prevenção de doenças crônicas e, indiretamente, retardam o envelhecimento da pele.

Muitos alimentos contêm antioxidantes, os quais podem ocorrer naturalmente (frutas e hortaliças) ou ser introduzidos em alimentos industrializados e suplementos.

Antioxidantes e dieta detox são a mesma coisa?

Não, a dieta detox contém antioxidantes que vão ajudar na “desintoxicação” do organismo, mas seu foco é mais abrangente do que os radicais livres. Antioxidantes são substâncias propriamente ditas cuja função é neutralizar os radicais livres e colaborar com certas reações metabólicas no nosso corpo.

9 dicas nutricionais infalíveis para minimizar as ações dos radicais livres

1. Vitaminas: A, C e E

vitaminas A C E

As vitaminas A, C e E são consideradas excelentes antioxidantes, capazes de neutralizar os radicais livres com grande eficiência.

A vitamina A possui uma substância chamada betacaroteno, que é responsável pela sua função antioxidante. Dentre os benefícios de seu consumo está a prevenção do câncer de pele, pois ajuda a controlar os danos causados pelos raios ultravioletas.

A vitamina C, muito utilizada na forma de suplemento alimentar, é de rápida absorção e sua função é melhorar o sistema imune e diminuir as lesões causadas pelos radicais livres.

Já a vitamina E é um componente encontrado em óleos vegetais. Sua função é impedir a propagação dos efeitos que os radicais livres causam, atuando não somente com a prevenção, mas também com o reparo de danos.

Quando associadas, essas três vitaminas potencializam seu efeito, sendo assim um ótimo mecanismo de defesa contra o envelhecimento.

Suas principais fontes são: frutas cítricas e vegetais escuros, para vitamina C; oleaginosas, soja e legumes, para vitamina E; e frutas e legumes de cores vermelha e alaranjadas, para a vitamina A.

2. Minerais: Zinco e Selênio

minerais zinco selênio

Alguns dos mecanismos de defesa natural do corpo contra os radicais livres são reações que dependem do Selênio e do Zinco para ocorrerem.

Por serem minerais, aos quais estão principalmente ligados ao consumo de cereais integrais e oleaginosas, as pessoas não têm essa defesa natural ocorrendo no seu potencial máximo.

Além de antioxidante, o Zinco participa da reação de replicação celular, o que no caso da pele favorece a renovação da camada superficial da pele, mantendo-a com aparência mais jovial. Estudos mostram que pessoas com deficiência de Selênio têm maior probabilidade ao desenvolvimento de câncer.

Suas principais fontes são: oleaginosas, cereais integrais, carnes, peixes e aves.

3. Flavonoides

flavonoides

Entre os antioxidantes presentes nos vegetais, os mais ativos e frequentemente encontrados são os Flavonoides.

Sua ação também está na inativação dos radicais livres e a cadeia de efeitos que eles promovem. Alguns exemplos de flavonoides e onde podem ser encontrados:

Curcumina

Encontrado na cúrcuma, neutraliza os radicais livres e protege o DNA de danos causados pelos radicais livres. Seu uso como especiaria já é suficiente para ter efeito no organismo.

Epigalocatequina

Encontrado no chá verde e no chá preto, têm efeitos antioxidantes que retardam o envelhecimento da pele.

Seu uso pode ser diário, mas com cuidado para pessoas excessivamente ansiosas ou que tenham problemas cardíacos.

4. Silício

silício

O silício é um elemento essencial presente no corpo humano, sendo fundamental na formação estrutural da pele, principalmente através da síntese de colágeno tipo I, além de estar envolvido na síntese e na compactação de queratina nos cabelos e unhas.

Seus efeitos são a prevenção do aparecimento precoce de rugas e marcas de expressão, queda de cabelo e colabora no fortalecimento das unhas, dos cabelos e ainda aumenta o brilho dos fios.

Quando suplementado juntamente com o Colágeno, pode trazer benefícios visíveis tanto a curto, quanto a longo prazo.

As fontes alimentares de silício são: maçã, laranja, manga, banana; repolho cru, cenoura, cebola, pepino, abóbora, amendoim, amêndoas, cereais integrais, milho, soja, peixe e água com gás.

5. Colágeno

colágeno

Como existe a perda natural de colágeno no organismo, uma forma de mantermos nossos estoques e evitarmos a flacidez cutânea é através da suplementação de colágeno.

Estudos apontam que a suplementação tem efeito na saúde da pele aumentando sua hidratação, elasticidade e firmeza em poucas semanas.

O colágeno hidrolisado é a melhor opção para ser usado em suplementação, já que nesta forma ele consegue ser absorvido pelo corpo sem sofrer digestão.

Para potencializar o efeito do colágeno ingerido, é importante associá-lo à vitamina C, que irá proteger a proteína da ação dos radicais livres.

Existem diversos alimentos fortificados com colágeno e também é possível encontrá-lo como suplemento em pó, podendo ser ingerido puro ou em receitas diversas.

6. Chocolate Amargo

chocolate amargo

Não estamos falando de chocolate meio amargo, e sim aqueles com 70% cacau ou mais. O cacau possui compostos antioxidantes em sua composição, mas quando é industrializado para formar o chocolate, é acrescentado grande quantidade de gordura e açúcar, que vão diminuir sua ação antioxidante.

Por isso, é importante escolher produtos com maiores concentrações de cacau e menor concentração de gordura e açúcar.

O chocolate amargo também colabora na circulação do sangue, pois filtram as toxinas acumuladas no corpo e melhora a circulação de oxigênio.

Mesmo com todos os benefícios, seu consumo deve ser moderado. Recomenda-se de dois a quatro quadradinhos por dia. É uma forma de diminuir a vontade de comer doces, principalmente de chocolates, com menor concentração de cacau, mais ricos em gordura e açúcar.

7. Licopeno

licopeno

Apesar de mais conhecido como a substância do tomate que combate o câncer de próstata, o licopeno tem ação antioxidante mais abrangente, que reduz os sinais do envelhecimento, preservando a integridade da pele e, ainda contribui para prevenção de diversos tipos de câncer.

Ele está em maior concentração na casca de alguns de alimentos de cor vermelha, como: tomates e seus produtos, goiaba, melancia, mamão e pitanga.

8. Luteína e Zeaxantina

luteína e zeaxantina

A luteína e a Zeaxantina são substâncias que não são produzidas pelo nosso corpo, portanto devemos obtê-las a partir da alimentação ou suplementação.

São potentes antioxidantes cujo efeito é comprovado e muito utilizado pelos profissionais da saúde para a saúde dos olhos, pois retarda a degeneração macular e a catarata.

Entretanto seus efeitos também podem ser visíveis na pele. A luteína tem ação fotoprotetora, evitando o aparecimento de manchas na pele e envelhecimento causado pela exposição solar, melhorando assim a saúde da pele.

Suas fontes na alimentação são: vegetais alaranjados, vermelhos, amarelos e verdes: mamão, laranja, repolho, ervilha, rúcula, brócolis, pêssego, milho e couve de bruxelas.

9. Romã

roma

A romã é rica em compostos antioxidantes e tem ação eficaz no tratamento de várias doenças de pele e ainda melhora o tônus da pele, pois aumenta o tempo de vida do colágeno e assim retarda o aparecimento da flacidez.

O uso da romã pode se dar desde cedo, já que além dos benefícios de controlar o envelhecimento da pele, ela também ajuda no tratamento de acne, um grande benefício para pessoas mais jovens ou com desregulação hormonal, já que a fruta reduz a produção de sebo pela pele.

Ela pode ser consumida como fruta, suco ou suplementada em cápsulas.

Conclusão

Uma alimentação rica em antioxidantes é importante para combatermos os efeitos dos radicais livres no nosso corpo.

Além da adoção de hábitos alimentares saudáveis, a prática de exercício físico, o uso de protetor solar e evitar hábitos nocivos como o tabagismo, são ações complementares que a longo prazo vão trazer benefícios, principalmente às marcas visíveis do envelhecimento precoce da pele.


DEIXE SEU COMENTÁRIO

Artigos Relacionados