Glúten free para não-celíacos e a elevadíssima concentração de metais pesados na urina

Receba dicas exclusivas sobre nutrição, atividade física e bem-estar. Cadastre seu melhor e-mail ao lado (é grátis)!

Glúten free para não-celíacos e a elevadíssima concentração de metais pesados na urina

6 de março de 2017
Ana Carolina Rocha (CRN3 - 48025)
Nutricionista

Glúten free

Glúten free é a famosa dieta sem glúten, que é uma proteína encontrada em alguns cereais, como o trigo. Ele está presente em grande quantidade na nossa alimentação, sendo massas e pães as principais fontes de glúten da dieta.

Aqui no Geração Fit já postamos um artigo explicando melhor o que é glúten e se ele impede o emagrecimento, recomendo a leitura para melhor entender esse texto!

Muito se fala sobre os benefícios de uma dieta isenta de glúten, inclusive para pessoas que não apresentam nenhuma sensibilidade, intolerância ou alergia à esta proteína: perda de peso, melhora na digestão e no trânsito intestinal, melhora na absorção de nutrientes e até relatam que colabora para a prevenção de doenças.

Entretanto, estes benefícios ainda não foram cientificamente comprovados em pessoas que não tenham patologias associadas ao glúten e, nem foi estabelecido uma margem de segurança para seu consumo, portanto o glúten ainda permanece como não sendo prejudicial para estes indivíduos.

A dieta glúten free só tem benefícios?

A dieta glúten free só tem benefícios?

Apesar de poucos estudos, a moda glúten free foi adotada pelas pessoas sem doenças relacionadas por acreditarem que retirar essa proteína da dieta promove benefícios à saúde. Mas é importante ressaltarmos quais os problemas que estão associados à essa prática.

Como em qualquer dieta restritiva, se a pessoa não procura ajuda profissional para orientar sobre as mudanças e adaptações alimentares que terá de fazer na nova rotina, é muito provável que ela faça escolhas erradas e consequentemente tenha problemas de saúde causados por excesso ou carência de nutrientes.

Inclusive no caso de restrição ao glúten é possível que nossas escolhas nos levem a acumular metais pesados no organismo.

Mas os benefícios apontados por pessoas que adotaram o glúten free também podem ser alcançados através de uma reeducação alimentar e equilíbrio dos alimentos que consumimos, sem a necessidade de retirar um alimento que não lhe faça mal.

Glúten free e a carência de nutrientes

Glúten free e a carência de nutrientes

O glúten está presente em alimentos básicos de nossa dieta, e simplesmente cortá-lo da dieta sem uma substituição adequada pode causar baixa ingestão de fibras e algumas vitaminas e minerais, principalmente se a pessoa já não faz um consumo adequado de frutas e hortaliças.

É importante lembrar que o glúten não está somente presente em pães, mas em qualquer receita que vá cereais que tenham glúten na composição, ou que sejam incrementados com glúten no processo de fabricação.

Essa mudança de hábitos pode tornar a dieta sem glúten em uma dieta monótona se não for acompanhada, e assim levar à doenças por falta de nutrientes.

Uma dieta balanceada deve conter quantidades maiores e variedade de hortaliças e frutas para garantir nossas necessidades de vitaminas e minerais diários.

Glúten free e o excesso de nutrientes

Glúten free e o excesso de nutrientes

Uma pessoa que inicia uma dieta sem glúten, mas não faz um balanço saudável da quantidade de carboidratos na dieta, pode passar a consumir excessivamente proteína, que causará um problema renal a longo prazo, ou gordura, que está diretamente relacionada à doenças cardiovasculares, diabetes e obesidade.

O balanço proteína-carboidrato-gordura é importante para garantirmos um corpo saudável e mais disposto de acordo com nossas necessidades individuais.

Outro exemplo é a troca dos alimentos que continham glúten por industrializados glúten free. Hoje existe uma variedade desses produtos, o que é bom por proporcionar mais opções para pessoas com restrição, mas tem o mesmo problema que muitos industrializados enfrentam: a composição e valor nutricional.

Por serem isentos de glúten, a textura do alimento fica diferente do que o produto convencional e, para a indústria deixar esse produto o mais próximo desse padrão é acrescentando gordura e outros componentes químicos.

Por isso é essencial se manter atento ao rótulo dos alimentos e fazer escolhas conscientes, mantendo a alimentação o mais natural possível.

Para quem utiliza a dieta  para emagrecer, atenção redobrada nas calorias dos alimentos, já que muitas vezes os produtos sem glúten são mais calóricos que os padrões.

Dieta sem glúten e alimentos contaminados por metais pesados

Dieta sem glúten e alimentos contaminados por metais pesados

Atualmente, um dos problemas relacionados com a dieta sem glúten está no maior consumo de alimentos contaminados com metais pesados, principalmente o Arsênio, que podem se acumular em nosso organismo e em concentrações elevadas podem nos levar à doenças.

O Arsênio é um metal presente naturalmente no nosso organismo, entretanto a exposição crônica ao arsênio, seja através da alimentação ou pelo contato físico, pode ocasionar doenças cardiovasculares, neurológicas, gastrointestinais, renais, hepáticas e câncer.

Após entrar em nosso corpo, o organismo tenta eliminá-lo através da urina – que é utilizada como indicador de contaminação recente, mas cabelos e unhas podem acumular o metal e são bons indicadores de contaminação a médio prazo.

O Arsênio chega em nossa dieta através de água ou alimentos contaminados, sejam animais marinhos ou plantas que, durante o cultivo foram contaminadas pelo solo, água ou herbicidas.

Os peixes são os alimentos mais contaminados por arsênio, mas estudos recentes têm demonstrado crescente contaminação no principal substituto ao glúten, o arroz que absorve metais da água e do solo.

O perigo pode estar no principal substituto do glúten: a farinha de arroz

principal substituto do glúten: a farinha de arroz

Devido a farinha do arroz ser a base da alimentação de pessoas com dieta isenta de glúten, estas pessoas tornam-se susceptíveis à intoxicação quando consomem, em excesso, lotes contaminados por metais pesados.

Estudo recente da Universidade de Illinois, em Chicago, comprovou que o consumo excessivo de alimentos derivados do arroz estão relacionados à maior excreção de metais pesados na urina.

Por esta razão, ao fazer substituições de alimentos com glúten, somente por alimentos com base de derivados de arroz, elevamos a chance de contaminação. A solução é manter uma alimentação variada e com diversas fontes de cereais.

Alimentação com redução de glúten

Alimentação com redução de glúten

Veja bem, aqui não irei falar de dieta isenta de glúten, mas sim reduzida. Para pessoas que não tenham diagnóstico de doenças relacionadas ao glúten, é possível ter benefícios ao diminuir o consumo de alimentos com glúten, seja através de substituição parcial do trigo por outras farinhas, ou da escolha de alimentos naturalmente reduzidos em glúten.

Alguns estudos mostram que atualmente o cultivo do trigo tem sido feito com objetivo de aumentar sua concentração de glúten para facilitar processos industriais nos alimentos, além disso, algumas técnicas de panificação também foram modificadas para atender à demanda do mercado, e com isso há também um aumento na quantidade de glúten de pães e massas.

Esse excesso forçado pela indústria pode ser controlado com técnicas de substituição parcial da farinha de trigo por outros cereais, quando fazemos nossa própria receita, ou na escolha de fornecedores de confiança. Muita atenção aos rótulos!

No entanto, ao adotar uma dieta variada e equilibrada, a quantidade de glúten que consumimos é automaticamente reduzida. Nosso foco deve ser sempre manter um hábito alimentar saudável e com poucos alimentos industrializados.

Conclusão

O acompanhamento nutricional em dietas restritivas é essencial para evitar qualquer complicação que essa dieta possa causar em seu corpo, a curto ou longo prazo.

Antes de adotar qualquer mudança significativa em sua alimentação, procure um profissional da saúde para realizar todos os exames necessários para identificar se já existe alguma carência nutricional e para que ele lhe oriente da melhor forma como substituir o alimento desejado.

A dieta glúten free, se não bem orientada, pode trazer prejuízos à saúde para pessoas que não fazem adequada substituição de cereais e nutrientes, sendo os efeitos da contaminação do arroz por Arsênio em pessoas que adotam dietas sem glúten um tópico que está sendo estudado atualmente em diversos países.


DEIXE SEU COMENTÁRIO

Artigos Relacionados