Perigos do óleo de canola

Receba dicas exclusivas sobre nutrição, atividade física e bem-estar. Cadastre seu melhor e-mail ao lado (é grátis)!

Perigos do óleo de canola

18 de maio de 2017
Equipe Geração Fit

óleo de canola

Óleo de canola: mais prejudicial do que você imagina.

Se um dia você já questionou sobre a origem da canola, você está no caminho certo! E a resposta é: não, não existe. Canola não é uma planta, é uma sigla que vem de Canadian Oil Low Acid, é um nome comercial. Trata-se de uma invenção canadense que vem de uma planta geneticamente modificada chamada colza.

A colza é resultado do cruzamento de várias subespécies de plantas da mesma família (pertence à família da mostarda). Dessa forma, o óleo de canola é produzido através da hibridação da colza.

Mas o grande problema é que, quase dois terços desses óleos monoinsaturados presentes na colza, é o ácido erúcico, um ácido extremamente tóxico e com grande associação a problemas no coração (lesões fibróticas).

O que ninguém dizia também é que o óleo de colza não é um óleo comestível, ele é um óleo industrial! Sabe onde é usado? Na produção de velas, sabonetes, tintas e até lubrificantes e biocombustível. Mas aí o que a indústria e o governo canadense fizeram?

Fizeram essa colza geneticamente modificada, deram o nome de canola que, até então, teria poucas quantidades de ácido erúcico e então o problema estava resolvido. O marketing entra em massa, troca o nome do óleo de colza (conhecido como industrial) por óleo de canola e alguns médicos e nutricionistas erroneamente nos convencem a usá-lo… erro atrás de erro!

O óleo de canola tem menos ácido erúcico que o óleo de colza sim, mas essa pouca quantidade já é suficientemente tóxica e, pra piorar novamente, o efeito é cumulativo (os sintomas podem demorar 10 anos para aparecerem). Já existem trabalhos relacionando o óleo de canola com inúmeras enfermidades: problemas no câncer, câncer de pulmão, atraso no crescimento.

O óleo de canola possui, supostamente, muitos benefícios de saúde. Seria um aliado para o cuidado do coração, protegendo o sistema cardiovascular e também reduzindo o colesterol.

No entanto, outras vezes falam o contrário. É que os testes de laboratório com ratos que consumiram óleo de canola, terminaram mostrando problemas de coração, tireóide e rins, o que poderia significar malefícios à saúde, escondido nos alimentos industrializados.

Quais os perigos do óleo de canola

O problema do óleo de canola é que este produto é principalmente proveniente das sementes de canola geneticamente modificadas, as opções orgânicas não são abundantes.

Além disso, este óleo passa por um processo para remover um forte odor que não é benéfico para a saúde, tornando-se um óleo altamente industrializado e pouco natural.

Este óleo começou a ser produzido pela primeira vez no Canadá como uma alternativa econômica e vendido como saudável e inovador. Além disso, este óleo contém gorduras trans, que causam danos às células e até poderiam causar câncer.

Entre outros problemas que podem causar o consumo de óleo de canola, está o mau funcionamento do sistema imunológico e a destruição da camada protetora dos nervos e, pode, eventualmente, causar distúrbios na mobilização do corpo. Também consomem vitamina E, o que pode, eventualmente, causar doenças degenerativas, pode piorar as alergias por seu alto teor de enxofre e aumentar os triglicerídeos.

Por todos esses problemas que ocorrem com o uso contínuo do óleo de canola é melhor evitá-lo e utilizar opções mais naturais como banha de porco, óleo de coco ou azeite.

Equipe geração fit

Nós ajudamos mulheres a atingir uma vida mais plena e saudável, através de conteúdo responsável e de alta qualidade, sobre os mais diversos temas ligados às áreas de Nutrição e Atividade Física.


DEIXE SEU COMENTÁRIO