Aviso: pare já com a dieta restritiva, antes que seja tarde

Receba dicas exclusivas sobre nutrição, atividade física e bem-estar. Cadastre seu melhor e-mail ao lado (é grátis)!

Aviso: pare já com a dieta restritiva, antes que seja tarde

3 de Janeiro de 2017
Bruna Pinheiro (CRN 35001)
Nutricionista

Dieta restritiva: saiba o que é e como ela pode prejudicar seriamente a sua saúde.

Atualmente vivemos um dos mais contraditórios cenários na área da saúde. Nunca tivemos uma variedade tão grande de dietas restritivas que prometem rápido emagrecimento, como temos hoje. Do mesmo modo, nunca houve um aumento tão grande em casos de sobrepeso e obesidade.

Segundo dados publicados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 1,4 bilhões de adultos estão acima do peso, destes mais de 200 milhões de homens e 300 milhões de mulheres são considerados, clinicamente, obesos.

A principal causa desse preocupante cenário é o fato de que é cada vez maior o número de pessoas que buscam emagrecer fazendo dietas que, além de não serem eficazes para o emagrecimento, oferecem sérios riscos à saúde como, por exemplo, a dieta restritiva.

Mas, afinal, o que é dieta restritiva?

Dieta restritiva é toda dieta que se concentra em apenas um alimento ou grupos de alimentos.

Como exemplo, podemos citar a dieta da sopa, dieta dos sucos, rigorosas dietas veganas, as dietas dos alimentos crus, e muitas outras dietas com baixo nível de carboidrato.

Dieta restritiva: como (não) funcionam

dieta restritiva: como (não) funciona

As dietas restritivas cumprem inicialmente o que se dispõem a fazer, mas falham a longo prazo.

Você até pode perder peso em dietas que se concentram em alimentos únicos, como a dieta da sopa. Mas, quanta sopa pode uma pessoa comer?

Em pouco tempo, você se cansa de comer os mesmos alimentos todos os dias, o que pode levá-la de volta ao seu comportamento alimentar anterior.

Tenha em mente que todos os alimentos podem e devem caber em um estilo de vida saudável.

Mesmo alimentos como bacon, sorvete e batatas fritas devem sim estar presentes nas “dietas” de quem busca perda de peso, desde que com moderação.

Dieta restritiva: “quando a esmola é demais, o santo desconfia…”

dieta restritiva: quando a esmola é demais o santo desconfia

“Coma o que quiser, quando quiser, e veja os quilos desaparecerem!” Você já ouviu falar delas e, talvez até mesmo já tentou alguma dieta milagrosa que promete perda de peso com esforço mínimo.

Há centenas de dietas restritivas que buscam resultados rápidos, com exclusão de grupos alimentares importantes, como os carboidratos, ou até mesmo ingerir apenas líquidos. Mas porque esse tipo de dieta não funciona (pelo menos no longo prazo)?

Mesmo as piores dietas, as mais restritivas, irão provavelmente resultar em perda de peso, pelo menos inicialmente. Mas, a longo prazo essa perda de peso não é mantida, e a pessoa volta a ganhar peso novamente.

Não se engane achando que é possível emagrecer somente através da ingestão de algum alimento, pílula ou shake mágico. O que faz com que a perda de peso aconteça realmente é comer menos calorias do que você gasta, fazendo as melhores escolhas.

Dieta restritiva de baixa caloria e seu incrível poder de efeito reverso

dieta restritiva de baixa caloria e seu incrível poder de efeito reverso

Dietas restritivas, regimes malucos e desequilibrados, que defendem o consumo de alimentos especifico ou a exclusão de determinado nutriente, causam perda de peso porque são basicamente dietas de baixa caloria.

Geralmente, depois de algumas semanas esse tipo de dieta se torna algo irreal, extremamente difícil de ser seguida no dia a dia, levando a uma grande frustração e, consecutivamente, na desistência pela dieta.

O sentimento de fracasso pode ser o grande gatilho para que se volte ao estilo de vida menos saudável que se levava antes do início da dieta.

As dietas da moda não só não conseguem produzir perda de peso rápida, como também podem levar a compulsão, ganho de peso e desânimo para buscar uma vida mais saudável. Em outras palavras, você sai de uma dieta restritiva muitas vezes pior do que entrou.

Dieta restritiva e o ciclo da restrição-compulsão com a comida

dieta restritiva e o ciclo da restrição compulsão com a comida

E quando as dietas proíbem determinados alimentos e quem está de dieta prevê uma vida sem seus deleites favoritos, essas dietas geralmente falham.

Toda vez que você restringe um determinado alimento, desencadeia um intenso desejo de consumi-lo e estabelece um ciclo de restrição-compulsão com a comida.

E as dietas restritivas que oferecem um gratificante “dia de fraude” ou “dia do lixo”? O que precisamos avaliar nesse caso, é se faz sentido tentar ser “perfeito” de domingo a sexta-feira, enquanto se fica obcecada com tudo o que você vai poder comer no sábado.

3 tipos mais comuns de dietas restritivas

1. Dietas “detox”

dieta restritiva dietas detox

Existem muitas delas, algumas envolvem o jejum, ou apenas beber líquidos. Outras permitem que alguns alimentos, como frutas e legumes. Elas normalmente são curtas, justamente porque não são devem ser seguidas por um longo prazo.

Existem muitas dietas do tipo “detox”. Algumas envolvem o jejum, ou apenas beber líquidos. Outras permitem comer alguns alimentos, como frutas e legumes.

Apesar de populares, dietas “detox” não possuem comprovação científica para o que se propõem a fazer: liberar toxinas para fora do seu corpo. Na verdade, elas podem ser arriscadas e até mesmo imprudentes.

Se o objetivo é perda de peso, uma dieta de desintoxicação pode ajudar a eliminar alguns quilos, mas provavelmente eles vão aparecer de volta.

Se seu objetivo é desintoxicar o corpo, não perca tempo ou dinheiro.  Nosso corpo é e especialista em se livrar de toxinas não importa o que se tenha comido.

O corpo está bem equipado com órgãos, como o fígado e os rins, e o sistema imunológico, para livrar-se de potenciais toxinas e faz um excelente trabalho de limpeza por si próprio, sem a necessidade de dietas para a sua desintoxicação.

2. Dietas com alimentos ou ingredientes “milagrosos”

dietas com alimentos ou ingredientes milagrosos

Quem faz dieta está sempre procurando o alimento, o remédio ou poção que irá ajudar na perda de peso, mas, infelizmente, ainda não existem tais ingredientes milagrosos.

Diversos estudos vêm demostrando que nenhum alimento ou grupo de alimentos consumidos juntos ou em determinado momento do dia, tem impacto na perda de peso.

Óleo de coco, chia, chá verde, vinagre de maçã e outros alimentos que ajudam a emagrecer, não são milagrosos. Mas, é verdade que eles possuem benefícios para quem quer perder peso e para a saúde.

Contudo, podem causar o efeito inverso se forem consumidos em excesso. Eles só possuem vantagem se forem ingeridos em uma quantidade pequena, dentro de uma alimentação saudável e equilibrada.

3. O jejum e as dietas de baixa caloria

dieta restritiva: jejum e as dietas-de baixa caloria

O jejum tem sido uma tradição cultural e religiosa há séculos, no entanto, jejum para perda de peso pode ser perigoso e trazer sérias consequências ao seu metabolismo.

Você pode encontrar milhares de dietas na internet com benefícios não comprovados de fazer jejum, para perder 15 quilos em 30 dias.

É verdade que o jejum, ou seja, comer pouco ou nenhum alimento, resultará em perda de peso, pelo menos no curto prazo.

Mas, os riscos superam em muito quaisquer benefícios e, em última instância, o jejum pode causar mais danos do que benefícios.

Quando se reduz drasticamente a ingestão de calorias, ocorre sim uma perda de peso, porém pode-se desencadear uma série de problemas, dentre eles a perda massa muscular.

Além disso, quando nosso corpo entra em jejum, entra também em modo de conservação, desacelerando o metabolismo e queimando calorias mais lentamente.

Ao comer muito pouco, no lugar de eliminar gordura, o organismo passa a estocá-la, pois entende que está passando por um período de escassez alimentar.

No começo você até pode emagrecer, mas em seguida o corpo desacelera o metabolismo para garantir que não faltará energia para as funções vitais como respirar, pensar e se mover. Resultado: metabolismo mais lento e eliminação de peso prejudicada.

Tenha em mente que o peso inicial perdido em um jejum é principalmente fluido ou “peso da água”, não de gordura.

3 dicas para encontrar uma dieta que funcione

dieta restritiva: 3 dicas para encontrar uma dieta que funcione

Não há melhor coisa do que um plano de dieta que se adapta ao seu estilo de vida. A melhor dieta é aquela que você pode seguir com segurança e é realista a longo prazo.

Ela deve ser flexível o suficiente para caber em sua vida real e deve incentivar uma alimentação mais saudável, centrando-se no equilíbrio, variedade e moderação.

O ideal é desfrutar e comer os alimentos que se gosta muito em menor quantidade, mas conscientemente e com moderação.

Na verdade, a melhor “dieta” não deve ser uma dieta feita para todos. Esqueça a dieta e em vez disso, pense em estratégias para satisfazer a sua fome.

Inclua em sua alimentação mais frutas, vegetais, grãos integrais e proteína magra para ajudar a gerenciar seu apetite.

Veja algumas dicas para te ajudar na perda de peso:

1. Faça uma lista do que está fazendo agora e identifique seus “pontos fracos”

A maioria das pessoas sabe imediatamente onde são vulneráveis – ficar sem comer por horas, grandes quantidades de alimentos, excesso de bebida alcoólica ou refrigerantes, beliscos durante todo o dia.

Tente identificar o que levou ao seu ganho de peso. Por exemplo, se você estiver comendo demais devido a situações de stress, que tal considerar uma gestão mais eficiente para o stress?

Desenvolva uma estratégia para abordar áreas onde você esteja vulnerável para que você possa se preparar para o sucesso na perda de peso.

2. Fique atenta as pequenas mudanças

Identifique uma a três pequenas mudanças que você pode fazer agora em sua dieta e hábitos de exercício. Mesmo que não tragam resultados rápidos, este método provou ser seguro, eficaz e sustentável a longo prazo

3. Reavalie as pequenas mudanças

Feitas as pequenas mudanças, reavalie em algumas semanas para ver se suas alterações estão surtindo efeito. Em seguida, faça mais algumas alterações pequenas.

Geralmente demora cerca de 12 semanas para você consiga notar os primeiros resultados. Nesse meio tempo, se necessário, incorpore mais algumas pequenas mudanças para acelerar os resultados.

Conclusão

As dietas restritivas podem trazer o emagrecimento de forma rápida, mas no longo prazo, dietas com baixíssimas calorias não são mais eficazes do que planos alimentares mais generosos quanto ao número de calorias.

Definitivamente, dietas restritivas não são o melhor caminho para o emagrecimento duradouro. O que de fato proporcionará emagrecer e manter o peso atingido, com saúde, é a mudança no estilo de vida, comprometendo-se com a alimentação saudável e com a prática regular da atividade física.


DEIXE SEU COMENTÁRIO

Artigos Relacionados