Perigos do Alumínio Para o Saúde

Receba dicas exclusivas sobre nutrição, atividade física e bem-estar. Cadastre seu melhor e-mail ao lado (é grátis)!


Perigos do Alumínio Para o Saúde

19 de fevereiro de 2019
Equipe Geração Fit

perigos do alumínio

Perigos do Alumínio: apenas uma fração é absorvida, porque os pulmões, estômago e rins trabalham em conjunto para eliminar mais de 95% da quantidade total ingerida.

Absorver qualquer quantidade de alumínio é prejudicial para a saúde. Ele entra no nosso corpo até quando respiramos, comemos ou bebemos. Mas, dessa forma, só uma fração é absorvida porque os seus pulmões, estômago e rins trabalham em conjunto para elimina-lo. Entretanto, alumínio aplicado sobre a pele ou mesmo ingerido em excesso pode alcançar níveis tóxicos.

As pesquisas médicas mostram, de forma cada vez mais precisa, o papel do alumínio como fator que desencadeia doenças autoimunes ou como fator que acelera a degeneração do sistema nervoso (Alzheimer).

Perigos do Alumínio: cosméticos

Ingerimos alumínio quando utilizamos os determinados produtos: creme dental, desodorante antitranspirante rol-on, cosméticos (blush, sombra de olhos, batom, base, pó compacto, rímel, delineador de olhos, lápis de olhos e boca, hidratante para o corpo e rosto, entre outros…) O metal é ainda utilizado em esmaltes, sabonetes líquidos e em barra, medicamentos antiácidos. É também muito utilizado em utensílios de cozinha como panelas, frigideiras, formas de bolo e pão, talheres e etc, onde são especialmente perigosos pois passam alumínio para os alimentos cozidos. Há também o risco de engolir alumínio ao raspar o fundo desses recipientes.

Perigos do Alumínio: embalagens do alimentos

Embalagens de alimentos: latas de bebidas são perigosas se o produto for ácido (suco de frutas, refrigerantes); papel alumínio (evitar cozinhar peixe no forno, embrulhado nessas folhas, com suco de limão); embalagens descartáveis mistas como, por exemplo, as de leite, feitas de papelão e alumínio, onde, muitas vezes, o metal entra em contato com o líquido.

Perigos do Alumínio: produtos livres

Seguem algumas dicas de produtos/ marcas que não contém alumínio:

Pasta de dentes

Colgate Tripla-ação e Sensodine (mais comuns no mercado), de Aloe Vera, da marca Forever Living, e de outras marcas como: Weleda, Orgânico Natural, Cativa e Boni;

Desodorante rol-on

Caseiros ou das marcar orgânicas abaixo: Biotherm, L’Occitane, entre outras já existentes no mercado como: BioEssência, Cativa Natureza, Herbia, Schraiber, Phytoervas, Alva, Terra Flor, Oshadi, entre outras

Água Mineral

Procure ingerir água mineral ou filtrada a partir de carvão vegetal, tanto para o cozimento de alimentos ou preparo de bebidas como chimarrão, café, chá, sucos, vitaminas, utilizando a água de torneira para outros fins que não sejam a ingestão diária. Também é possível instalar um filtro com carvão vegetal – com refil carbon block – na torneira.

Perigos do Alumínio: alimentação

Na nossa alimentação o alumínio está contido em Aditivos alimentares: anticoagulantes, endurecedores, fermentantes, emulsificantes, colorantes, acidulantes. Alguns são solúveis e podem atravessar a parede intestinal.

Por isso, evitar produtos ultraprocessados fazem parte da desintoxicação além de incluir rotineiramente na dieta, frutas e verduras em geral preferencialmente orgânicos, mas especialmente couve, brócolis, wasabi, lactobacillus, entre outros.

É de extrema importância modular a microbiota intestinal retirando também os alimentos que lhes causam desconforto pois eles acabam causando irritação nas paredes intestinais e diminuem a eliminação.

Portanto, para quem tem excesso de alumínio no organismo deve-se adotar uma reeducação alimentar e tornar a alimentação mais natural possível, quanto menor for a inclusão de produtos industrializados melhor será o resultado e a eliminação do problema.

Equipe geração fit

Nós ajudamos mulheres a atingir uma vida mais plena e saudável, através de conteúdo responsável e de alta qualidade, sobre os mais diversos temas ligados às áreas de Nutrição e Atividade Física.


DEIXE SEU COMENTÁRIO