Música no treino: ajuda ou atrapalha?

Receba dicas exclusivas sobre nutrição, atividade física e bem-estar. Cadastre seu melhor e-mail ao lado (é grátis)!

Música no treino: ajuda ou atrapalha?

18 de julho de 2017
Equipe Geração Fit

música no treino

Música no treino: já reparou que toda academia tem música? Seja em som ambiente, ou um pouco mais alta, ela supostamente serviria como fator motivacional. Mas, será que a música de fato ajuda? Descubra!

Pode ser um ritmo estimulante ou simplesmente um som ambiente, mas ela não falta na rotina de quem treina. Além de embalar os exercícios, ela não só ajuda, como traz inúmeros benefícios durante o treino.

Ouvir música no treino pode fazer com que o praticante da atividade se sinta mais estimulado, de acordo com um novo estudo e, este efeito é ainda mais evidente em treinos intervalados intensivos, o famoso HIIT.

Efeito da música no treino

De acordo com o estudo, publicado em Journal of Sports Sciences, pesquisadores da Universidade McMaster em Hamilton, Ontário, recrutaram 20 voluntários que estariam dispostos a tentar um treino intenso, mas muito breve.

Eles eram jovens saudáveis, fisicamente ativos, do sexo masculino e feminino, novatos quanto ao treino intervalado de alta intensidade, mas curiosos.

Os voluntários completaram uma série de questionários sobre suas atitudes em relação ao treinamento intenso e se poderiam antecipar, sem terem tentado ainda este tipo de exercício, se gostariam e continuariam com tais exercícios mais tarde ou se desistiriam abruptamente.

Os pesquisadores também pediram-lhes para listar canções favoritas que achavam que valeria a pena ouvir durante um treino.

Em seguida, os voluntários foram introduzidos a uma forma particularmente cansativa de treinamento intervalado, na esperança de que isso amplificaria suas respostas físicas e emocionais, relata Matthew Stork, um doutorando do campus Okanagan da University of British Columbia, que liderou o estudo enquanto ainda na McMaster.

O treino consistiu em dois minutos de aquecimento leve em uma bicicleta estacionária, seguido por quatro explosões de 30 segundos de esforço total, com altíssima exigência pulmonar, cada “explosão” era intervalada com quatro minutos de repouso.

Durante uma visita ao laboratório de exercícios, os ciclistas completaram o treino sem ouvir música. Em outra visita, a lista de músicas escolhidas soou através dos alto-falantes do laboratório. Após cada sessão, descansavam por uma hora e depois repetiam os questionários.

Stork diz que os pesquisadores esperavam que, de acordo com as preocupações de outros cientistas, as respostas dos voluntários mostrariam que, depois de terem experimentado um árduo treinamento intervalado, não o repetiriam.

Mas, em vez disso, a atitude dos participantes em relação ao treino geralmente era bastante favorável, cerca de 5 em uma escala de 1 a 7, com o 7 significando essencialmente: “Uau, eu realmente gosto deste treino”.

Ouvir música no treino intensificou significativamente as atitudes positivas dos voluntários em relação ao treino, elevando suas avaliações mais perto de um 6.

A música também tornou mais provável que as pessoas relatassem a intenção de continuar o treino intervalado no futuro.

Resultado

Os resultados indicam que o treino intervalado de alta intensidade pode não ser tão fisicamente desagradável e desmotivador para muitos de nós como alguns especialistas temiam, afirma Stork, e que adicionar música ao suor parece fazer os exercícios mais agradáveis.

Claro, o estudo é de tamanho pequeno e de um grupo particular de pessoas, todas jovens, saudáveis, aptas e abertas a tentar o treino em primeiro lugar. E também presumivelmente também tinham gosto comparável quanto à música.

Equipe geração fit

Nós ajudamos mulheres a atingir uma vida mais plena e saudável, através de conteúdo responsável e de alta qualidade, sobre os mais diversos temas ligados às áreas de Nutrição e Atividade Física.


DEIXE SEU COMENTÁRIO