Espasmo Muscular

Receba dicas exclusivas sobre nutrição, atividade física e bem-estar. Cadastre seu melhor e-mail ao lado (é grátis)!

Espasmo Muscular

11 de outubro de 2017
Equipe Geração Fit

espasmo muscular

Espasmo muscular: saiba tudo sobre a contração muscular involuntária, definida como um movimento muscular que ocorre quando um nervo é estimulado ou danificado.

E de repente, parece que o olho fica “pulando”… Algo estranho, involuntário, sem controle. Mas, o que será que determina esse comportamento anormal?

O nome dessa movimentação incômoda é espasmo muscular. Essa na área das pálpebras, especificamente, é indolor, e tem como causa geralmente o estresse. Costuma desaparecer com a mesma sutileza com que apareceu. A título de curiosidade, seu nome é mioquimia palpebral.

O tipo de Espasmo Muscular mais conhecido é a câimbra, que nada mais é do que uma contração muscular dolorosa. A maioria das pessoas que tem cãibra apresenta estes espasmos musculares de natureza benigna como uma reação do corpo ao estresse.

Outro tipo de espasmo muscular bastante comum é o que conhecemos por tique nervoso. Também são involuntários, e geralmente, levam a pessoa a fazer caretas, piscar compulsivamente ou entortar a boca. Costumam estar ligados à ansiedade, e sua fase mais frequente é na adolescência, embora alguns casos desse tipo acompanham as pessoas pela vida toda.

Tipos de Espasmo Muscular

Agora que sabemos o que é espasmo muscular, vamos explicar seus diferentes tipos, que dependem da musculatura envolvida ou da área afetada. Com base nessa informação, poderemos entender a gravidade ou não dos espasmos musculares.

Musculatura esquelética: é a musculatura que recobre totalmente o nosso esqueleto e se prende aos ossos, daí a origem de seu nome. As contrações da musculatura esquelética são voluntárias, ou seja, comandamos seus movimentos, tais como braços e pernas, pés e mãos, tronco e pescoço.

Musculatura lisa: seu trabalho é involuntário, ou seja, não comandamos seus movimentos. Como exemplo disso temos nosso coração, bombeando o sangue o tempo todo; nosso estômago e intestinos, que “movem” os alimentos; nossa bexiga, que relaxa a musculatura para esvaziamento e depois volta a contrair; e também o útero, com seus movimentos de contrações, se enquadram a essa descrição muscular.

Distonia: os espasmos também podem ocorrer por um terceiro motivo: distonia, que é uma desordem de origem neurológica, que pode ocasionar movimentos repetitivos, postura anormal, tremores e dificuldade em manusear objetos. A distonia pode atingir uma pequena parte do corpo somente (distonia focal), até mesmo o corpo todo (distonia generalizada). Nesse caso, os espasmos precisam de investigação médica e tratamento multidisciplinar.

Geralmente é provocada por funcionamento deficiente de neurotransmissores químicos no cérebro, como serotonina, dopamina e acetilcolina.

Espasmo muscular pode ser sintoma de alguma doença?

Sim, os espasmos musculares também podem ser causados por:

  • Doenças que alteram o metabolismo normal do corpo, como diabetes e problemas na tireoide;
  • Doenças musculares;
  • Doenças que afetam o nervo responsável pela contração muscular;
  • Mal de Parkinson;
  • Varizes e insuficiência venosa.

Espasmo Muscular: causas

As causas mais comuns e menos graves de contração muscular espasmódica incluem:

  • Exercício;
  • Estresse e ansiedade;
  • Cafeína e outros estimulantes;
  • Deficiências nutricionais;
  • Tabagismo
  • Irritação das pálpebras ou superfície do olho
  • Resposta a fármacos, tais como corticosteroides, estimulantes e estrógeno.

Muitas vezes, os espasmos causados por esses fatores ocorrem nas pálpebras ou polegares. Essa situação é bastante comum e os sintomas geralmente desaparecem depois de um ou dois dias.

Há também causas menos comuns e mais graves de contração muscular. Algumas destas condições incluem:

  • Distrofia muscular;
  • Doença de Lou Gehrig;
  • Atrofia muscular espinhal;
  • Síndrome (doença autoimune que afeta os nervos) de Isaac;
  • Qualquer trauma para um nervo que conduz a um músculo;
  • Perda de massa muscular ou fraqueza;
  • Baixa circulação sanguínea nas pernas;
  • Não se alongar ou alongar de maneira insuficiente antes das atividades físicas;
  • Atividade física sob calor intenso;
  • Fadiga muscular;
  • Desidratação;
  • Deficiência de magnésio e / ou potássio;
  • Lesão da medula espinhal ou nervo comprimido no pescoço ou nas costas.

Diagnóstico do espasmo muscular

O espasmo muscular é geralmente inofensivo, e não requer atenção médica. No entanto, um médico deve ser consultado em casos graves, como os que se estendem por vários dias e nem se quer apresentem sinais de melhora com a prática de alongamentos. Isso pode ser um sinal de uma condição médica subjacente.

Para identificar a causa do espasmo muscular, o médico realizará exame físico e anamnese, que pode conter perguntas tais como:

  • Com que frequência o espasmo muscular ocorre?
  • Quais músculos são afetados?
  • Toma algum medicamento?
  • Ingere bebida alcoólica?
  • Hábitos de exercício
  • Ingere líquidos, como água e sucos, com que volume e/ou frequência diária?

Em alguns casos pode ser necessário um exame de sangue para verificar os níveis de potássio e cálcio no sangue, bem como sua função renal e tireoide. O médico pode ainda encomendar uma eletromiografia, teste que mede a atividade muscular e verifica as anormalidades musculares.

Outro exame que pode ser útil em casos de espasmo muscular agudo é a mielografia, análise que cria uma imagem da medula espinhal. Informe o seu médico sempre que sentir sintomas de fraqueza, dor ou perda de sensação nos membros. Estes sintomas podem ser sinais de uma desordem nervosa.

Espasmo muscular: tratamento

Um dos melhores tratamentos para espasmo muscular é a aplicação de uma compressa quente ou fria nos músculos doridos no primeiro sinal de espasmo muscular, para aliviar a dor. Pode-se utilizar qualquer um dos seguintes métodos de aplicação:

  • Compressa com pano quente;
  • Compressa com almofada de aquecimento;
  • Compressa com pano frio;
  • Gelo.

O alongamento do músculo afetado também pode aliviar a dor do espasmo muscular. Por exemplo, se sua panturrilha estiver espasmo, você pode puxar o pé para cima com a mão para esticar o músculo da panturrilha. Se a sua dor não melhorar, procure orientação médica. Medicamentos anti-inflamatórios, como o ibuprofeno, podem ser prescritos.

Espasmos x cólicas

Apesar que também estejam ligadas a espasmos, as cólicas ocorrem somente na musculatura lisa.

Por exemplo, a musculatura lisa que reveste o intestino começa a se contrair, causando dor e desconforto, que são as cólicas.

Exemplos semelhantes estão associados a terríveis cólicas renais, quando esse órgão começa a se contrair tentando expulsar cálculos, e muitos outros casos, como o útero durante as cólicas menstruais, problemas de refluxo e etc.

Cuidados

Normalmente, medicamentos não são necessários para contração muscular espasmódica, uma vez que a condição desaparece em algumas horas ou dias. Entretanto, é possível prevenir o problema comendo uma dieta balanceada, dormindo adequadamente, manejando o estresse e limitando o consumo de cafeína.

Se você tem contração muscular espasmódica constante nos olhos, tente usar lubrificantes. Se os espasmos duram mais de uma semana, consulte um médico.

Espasmo muscular: ajuda médica

Contração muscular espasmódica raramente é uma situação de emergência. No entanto, em alguns casos o espasmo pode indicar uma condição médica séria. Marque uma consulta médica se o espasmo muscular for um problema crônico ou persistente, principalmente se afetar sempre o mesmo local.

Equipe geração fit

Nós ajudamos mulheres a atingir uma vida mais plena e saudável, através de conteúdo responsável e de alta qualidade, sobre os mais diversos temas ligados às áreas de Nutrição e Atividade Física.


DEIXE SEU COMENTÁRIO