Consumo de oleaginosas pode melhorar a microbiota intestinal

Receba dicas exclusivas sobre nutrição, atividade física e bem-estar. Cadastre seu melhor e-mail ao lado (é grátis)!

Consumo de oleaginosas pode melhorar a microbiota intestinal

21 de dezembro de 2017
Equipe Geração Fit

consumo de oleaginosas

O consumo de oleaginosas resulta em diversos benefícios para o corpo, sendo um deles a melhora da microbiota intestinal. Manter uma boa saúde da microbiota é essencial para o bom funcionamento do intestino, pois ela está ligada à diversas funções do metabolismo, interferindo na quebra e absorção de macro e micronutrientes. E o que influencia diretamente na composição da microbiota intestinal é a alimentação, principalmente através do consumo de prebióticos e probióticos.

As oleaginosas funcionam como prebióticos no intestino, servindo, portanto, de alimento para as bactérias do bem, fornecendo a elas fibras e polifenóis, por exemplo. Além disso, com o consumo de oleaginosas aumenta-se a quantidade das bactérias do bem no intestino.

Essas bactérias são responsáveis pela produção de alguns metabólitos, como o butirato, que é um ácido graxo de cadeia curta. Esses metabólitos preservam a integridade do trato gastrointestinal, reduzindo, por exemplo, a incidência de inflamações e, consequentemente, melhorando a absorção dos nutrientes.

Além disso, alguns estudos demonstraram que o consumo de oleaginosas, além de contribuir para a produção de metabólicos benéficos ao organismo, também evita a produção de metabólitos prejudiciais, como a trimetilamina (TMAO). Esse composto é produzido por bactérias patogênicas e, na presença de colina e carnitina, pode gerar disfunção endotelial, o que aumenta os riscos de desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

Dessa forma, incluindo-se o consumo de oleaginosas na alimentação, além de melhorar a saúde da microbiota intestinal, também se reduz o risco de doenças cardiovasculares.

Cuidado com o consumo de oleaginosas

Apesar de as oleaginosas apresentarem o efeito benéfico de prebióticos para melhorar a saúde da microbiota intestinal, elas apresentam uma densidade calórica elevada e devem ser consumidas moderadamente, de modo a não ultrapassarem as necessidades calóricas diárias, o que poderia levar ao excesso de peso.

Alguns exemplos de oleaginosas são pistache, nozes, castanha-do-Pará, avelã, castanha de caju e amêndoas.

Portanto, recomenda-se incluir o consumo de oleaginosas na alimentação em prol da saúde intestinal, porém, este deve ser feito de forma moderada e equilibrada.

dalcia klimaczewski sidebar

Dalcia Klimaczewski

24 anos, comunicóloga e graduanda em Nutrição pela Universidade Federal do Paraná. Adepta à nutrição comportamental, acredita que a saúde e o bem-estar são consequências do equilíbrio entre o corpo e a mente.


DEIXE SEU COMENTÁRIO