Como controlar a compulsão por doces

Receba dicas exclusivas sobre nutrição, atividade física e bem-estar. Cadastre seu melhor e-mail ao lado (é grátis)!

Como controlar a compulsão por doces

28 de dezembro de 2017
Equipe Geração Fit

compulsão por doces

A compulsão por doces se caracteriza por um impulso incontrolável de comer alimentos ricos em açúcar. Isso acontece porque os doces, ao serem consumidos, aumentam os níveis de dopamina e serotonina no cérebro, proporcionando felicidade ao indivíduo e desencadeando um estado de vício por alimentos desse tipo.

Os alimentos doces causam, portanto, uma sensação de prazer ao serem consumidos e, dependendo do estado emocional da pessoa que o consome, o doce pode acabar sendo um grande vilão da dieta. Esses alimentos que viciam têm geralmente um alto índice glicêmico, sendo, portanto, absorvidos rapidamente pelo organismo e proporcionando um estado quase que instantâneo de felicidade. Porém, o efeito passa rápido, levando o indivíduo a buscar por mais e mais doces.

Os doces geralmente são utilizados como forma de recompensa. Por exemplo, depois de um longo e extenuante dia de trabalho uma pessoa consome um doce por achar que merece uma recompensa depois de trabalhar tanto. Além disso, desde pequenos as pessoas são ensinadas a ver o doce dessa maneira, pois, as crianças recebem a sobremesa (doce) apenas após comerem toda a refeição principal, como forma de recompensa.

A compulsão por doces é um problema sério que leva ao consumo excessivo desses alimentos açucarados e ao consequente ganho de peso, podendo evoluir para obesidade e diabetes tipo 2. Portanto, pessoas que não conseguem controlar o impulso de consumir doces devem redobrar os cuidados com a alimentação e, para isso, separamos algumas dicas.

Driblando a compulsão por doces

Uma das principais formas de driblar a compulsão por doces é ter consciência das escolhas alimentares, prestando-se atenção às calorias e à composição dos alimentos. Dessa maneira, quando se tem o impulso para comer doces, o indivíduo deve parar, racionalizar e então escolher o que vai comer.

Essa prática faz parte da terapia cognitiva comportamental, que visa dar autonomia ao indivíduo nas suas escolhas alimentares. Dessa forma, o indivíduo deve escolher o que vai comer e então pegar uma pequena quantidade daquele alimento para ser consumido.

Além disso, ao frequentar festas infantis ou outros lugares que tenham uma grande oferta e variedade de doces, o indivíduo deve ir sem fome para evitar exageros. Ou seja, recomenda-se ingerir uma boa refeição, saudável e balanceada, antes de ir para esses lugares. Assim, diminui-se o consumo impulsivo de doces.

Outra forma de evitar o consumo excessivo de doces é tentar substituir esses alimentos ricos em açúcar por outros alimentos que também sejam doces, mas que têm uma variedade maior de nutrientes, ou até mesmo tentar substituir alguns ingredientes das preparações doces. Por exemplo, pode-se preferir como sobremesa uma banana amassada com canela ou fazer uma receita de brigadeiro substituindo o leite condensado por biomassa de banana verde.

Ainda, recomenda-se diminuir gradualmente a quantidade de doces consumida, até que esses alimentos não sejam mais um problema na dieta, e não pensar nos doces como recompensa. E, por fim, deve-se preferir sobremesas com um índice glicêmico mais baixo, para evitar os picos de açúcar no sangue e o risco de vício e exageros.

Portanto, a compulsão por doces é um problema sério que merece atenção e deve ser tratado, pois, o consumo excessivo desses alimentos pode levar ao desenvolvimento de várias doenças, como a obesidade, diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares.

dalcia klimaczewski sidebar

Dalcia Klimaczewski

24 anos, comunicóloga e graduanda em Nutrição pela Universidade Federal do Paraná. Adepta à nutrição comportamental, acredita que a saúde e o bem-estar são consequências do equilíbrio entre o corpo e a mente.


DEIXE SEU COMENTÁRIO