Cassiolamina e Faseolamina emagrecem mesmo?

Receba dicas exclusivas sobre nutrição, atividade física e bem-estar. Cadastre seu melhor e-mail ao lado (é grátis)!

Cassiolamina e Faseolamina emagrecem mesmo?

16 de maio de 2017
Equipe Geração Fit

cassiolamina e faseolamina

A Cassiolamina e faseolamina são duas substâncias naturais vendidas em lojas de suplementos ou de produtos naturais, conhecidas por facilitarem o emagrecimento. Mas, será que isto é verdade? Elas são capazes de promover a perda de peso?

Na atualidade, a buscar por um corpo perfeito vem se mostrando cada vez mais prevalente, e, na contramão, a procura por soluções milagrosas também, aumentando demasiadamente a venda de produtos que prometem emagrecer.

É sempre bom ficar atento e compreender o que se está levando para casa, além de nunca se esquecer das mudanças de estilo de vida necessárias para um resultado eficiente.

Então, saiba como essas duas substâncias agem no organismo e se realmente podem dar uma ajuda na mudança do número que aparece na balança.

Cassiolamina como inibidor das lipases

A cassiolamina é o extrato seco retirado do fruto da Cássia nomame, uma planta medicinal nativa da Ásia, e é comumente utilizada no tratamento da obesidade.

É um extrato vegetal prescrito por profissionais de saúde que utilizam a fitoterapia na prática clínica. Sua apresentação geralmente é em pó.

A planta contém cinco compostos flavonóides e também é conhecida por outros nomes populares como Herba nomame, Cassia de espinha de peixe, Planta de artilharia e Cassia cinco folhas.

A ação dessa substância parece ocorrer no intestino delgado, onde reduz a atividade das enzimas lipases, responsáveis pela digestão das gorduras para que sejam absorvidas pelo organismo.

As gorduras não são digeridas e, consequentemente, não absorvidas são excretadas junto com as fezes.

Em testes de laboratório, um dos flavonóides presentes na cassiolamina que teve ação mais poderosa, inibiu a digestão de cerca de 30% das moléculas de gordura.

Dessa forma, a cassiolamina pode contribuir com a diminuição da fonte energética advinda das gorduras da dieta, ou seja, menos calorias são absorvidas. Portanto, ela tem potencial para auxiliar no emagrecimento.

Contudo, independente de seu uso, para que haja eficiência na perda de peso, o gasto energético deve ser maior do que o conteúdo calórico ingerido e absorvido.

Mesmo que se escolha usar esse produto de maneira coadjuvante, a atividade física ainda deve ser uma prática rotineira, o que aumentará o gasto calórico e facilitará o uso das próprias reservas de gordura corporal como combustível para o corpo.

Lembrando que a cassiolamina reduz apenas a absorção de gorduras, enquanto os outros nutrientes continuam sendo absorvidos e usados como fonte de energia pelo corpo, principalmente os carboidratos.

Portanto, o uso da cassiolamina deve ser acompanhada de uma dieta balanceada aliada à prática de exercícios físicos, de modo a manter um balanço energético negativo.

Vale lembrar que ter uma dieta balanceada significa ingerir todos os grupos alimentares nas proporções corretas e nas quantidades adequadas para cada organismo, o que é muito individual e deve ser feito sob orientação de profissional capacitado, o nutricionista.

Caso a substância seja utilizada e a pessoa mantenha uma alimentação de alto valor calórico e rica em gordura, irá causar os efeitos colaterais descritos a seguir, uma vez que a gordura terá que sair pelas fezes.

Outros efeitos positivos que ela pode produzir no organismo, além da redução da absorção lipídica, é o melhor controle da pressão arterial e dos níveis séricos de colesterol, uma vez que reduzem as gorduras absorvidas e utilizadas pelo corpo.

Todas essas ações são baseadas em relatos ou testes in vitro, uma vez que não existem, na literatura, referências científicas que assegurem os efeitos benéficos de seu uso.

As doses comumente usadas na prática vão de 200mg a 600mg divididos em três tomadas antes das principais refeições (desjejum, almoço e jantar). Contudo, essa posologia não foi definida em ensaios clínicos. Vale lembrar que é essencial que esse produto, mesmo sendo um extrato vegetal, seja indicado por profissional capacitado.

Faseolamina como inibidor das alfa-amilases

A faseolamina é uma glicoproteína extraída do feijão branco cru (Phaseolus vulgaris). O feijão branco já é amplamente consumido pela população brasileira como alimento na forma cozida, mas, recentemente, seu extrato vem sendo consumido como produto emagrecedor devido ao seu componente ativo.

Tem a ação de reduzir a atividade das enzimas alfa-amilases no intestino delgado, contribuindo para o tratamento da obesidade e da Diabetes Mellitus Tipo 2.

As alfa-amilases são responsáveis por digerir os carboidratos ingeridos pela dieta em monossacarídeos, como a glicose, que são as formas absorvidas pelo organismo.

Quando se reduz a ação da enzima, ocorre a diminuição da digestão e absorção de açúcares, amido ou outros carboidratos simples, como pães e massas. Após a ingestão desses alimentos, eles são parcialmente eliminados nas fezes.

Como a absorção de carboidratos é reduzida, não há excesso desse nutriente para ser armazenado na forma de gordura (triglicérideos). Além disso, o corpo usa outros nutrientes, como a gordura armazenada no tecido adiposo, como fonte energética na ausência do carboidrato, contribuindo ainda mais para a perda de peso.

Ainda, a menor absorção de glicose resulta em uma menor glicemia, reduzindo assim a quantidade de insulina liberada pelo pâncreas. Dessa forma, a faseolamina também contribui para o tratamento da Diabetes Tipo 2, na qual há quadros de hiperinsulinemia.

A quantidade de estudos publicados até o momento que analisaram os efeitos da substância ainda é mínima, e, os realizados com seres humanos, tiveram um número de participantes pequeno (máximo de 60 pessoas), sendo prudente aguardar novas pesquisas para melhores evidências.

Todavia, nos estudos experimentais realizados, todos os indivíduos que estavam acima do peso e utilizaram a faseolamina, obtiveram sucesso na perda de peso e redução da circunferência da cintura, com perdas mais significativas do que nos grupos controle.

Um efeito benéfico adicional para o organismo pode ser a redução dos valores de triglicérides sanguíneos, uma vez que essa molécula, apesar de ser um tipo de gordura, é formada a partir da ingestão de carboidratos. Em estudo realizado, os níveis séricos de triglicerídeos mostraram redução média mais de três vezes maior do que a observada no grupo placebo.

Contudo, assim como no caso da cassiolamina, o uso da faseolamina deve ser associado a uma dieta balanceada aliada à prática de exercícios físicos, pois, por si só, ambas as substâncias não são capazes de reduzir o peso corporal.

Seu uso comum é de 500mg de extrato duas vezes ao dia, antes de refeições volumosas em carboidratos, como o café da manhã e o almoço.

Efeitos do uso da Cassiolamina e Faseolamina

A cassiolamina pode causar diarreia e fezes oleosas, além de interferir na absorção de vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K) essenciais para o organismo. A faseolamina também pode causar diarreia, além de náuseas, dor de cabeça, inchaço abdominal e gases.

Portanto, seu uso a longo prazo pode indicar a necessidade de suplementação vitamínica em horários alternativos aos do uso do extrato, sendo sugerida a supervisão médica. Vale salientar que seus efeitos no intestino podem causar certo constrangimento após refeições, principalmente se elas forem ricas em alimentos ou preparações gordurosas.

Já no caso da faseolamina, um possível efeito adverso da planta seria o impacto do carboidrato excedente no cólon, já que o excesso pode sofrer fermentação pelas bactérias intestinais, provocando alterações na microbiota intestinal como distensão abdominal, gases e diarreia.

Outra questão importante no uso do extrato do feijão branco, por longo tempo, é que, por ser extraído do vegetal cru, pode apresentar fatores antinutricionais que reduzem a absorção de algumas vitaminas e minerais, com possíveis impactos negativos na saúde dos consumidores.

Além disso, o uso de cassiolamina e faseolamina é contraindicado para gestantes, lactantes, praticantes de atividade física intensa ou pessoas que possuam problemas de saúde. Por isso, antes de iniciar o uso de alguma dessas substâncias, consulte um médico e nutricionista.

Equipe geração fit

Equipe Geração Fit

Nós ajudamos mulheres a atingir uma vida mais plena e saudável, através de conteúdo responsável e de alta qualidade, sobre os mais diversos temas ligados às áreas de Nutrição e Atividade Física.


DEIXE SEU COMENTÁRIO